Para continuar no pique de Pantera Negra: Raio Negro

Para continuar no pique de Pantera Negra: Raio Negro

Um herói da quebrada, mostrando outro lado dos super-heróis e tão representativo quanto Pantera Negra: este é o Raio Negro e você não pode perder essa série

 

Então você assistiu Pantera Negra e ficou maravilhado. Quanta representatividade, quanto respeito. Aí você ficou se perguntando: onde mais eu acho isso?

 

Seus problemas acabaram! O Netflix nos traz, em lançamento simultâneo com os EUA (lá passa na TV), a série Black Lightning (Raio Negro).

 

Visual original do personagem

Para quem não conhece (e, tirando os nerds de carteirinha, deve ser quase todo mundo), Raio Negro é um herói com poderes elétricos, identidade secreta de Jefferson Pierce. Criado na década de 1970 pela DC Comics, sob a batuta do escritor Tony Isabella e do desenhista Trevor Van Eeden.

 

Como praticamente todos os super-heróis de HQs, já foram inúmeras encarnações e interpretações desse personagem.

 

A série de TV segue uma linha que vinha sendo a mais utilizada nos quadrinhos: Pierce é um professor e diretor de escola. Nos gibis até Secretário da Educação ele foi, quando Lex Luthor era Presidente dos EUA (em revistinha, tudo pode).

 

Pai de duas filhas, quando as meninas crescem, descobrem que também têm poderes. Anissa, a mais velha, tem a capacidade de alterar sua densidade, tornando-se à prova de balas, com superforça e de dar pisões no chão que geram ondas de choque.

Thunder e Lightning, as filhas do herói, em versão desenho animado.

Nos gibis, Pierce faz um acordo com Anissa. Ela só poderia ser uma super-heroína uniformizada quando terminasse a faculdade. No dia da formatura, a moça já se vestiu como Thunder (Tormenta, aqui no Brasil) e foi à luta.

 

Anissa nos quadrinhos tem um relacionamento com Grace Choi, sua colega na equipe de super-heróis Renegados.

 

E na série… bem, digamos que há uma Grace na vida dela (vamos tentar manter esse texto Spoiler Free).

 

Já a filha mais nova de Pierce é Jennifer, cujos poderes são similares aos do pai (manipulação de eletricidade, criação de campos de força e voo). Seu codinome é Lightning (Relâmpago) e, nos gibis, ela chegou a ter um visual todo elétrico, não exatamente um uniforme, mas uma cobertura elétrica para o corpo.

Netflix

A série do Netfilx apresenta essas mesmas características: Jefferson é o diretor de uma escola que está no coração

Um herói de presença

de uma comunidade assolada pelo tráfico de drogas e pela prostituição. Os bandidos são uma espécie de poder paralelo ao Estado (se você assistir a série e confundir algumas coisas lá com nosso noticiário, não se assuste) e o colégio que nosso herói comanda é um oásis, que manda alunos para as melhores faculdades e, efetivamente, muda vidas em sua comunidade.

 

Pierce está aposentado como herói, depois de quase ter morrido sete anos antes. Numa promessa para a esposa à época, pendura o uniforme e vai se dedicar à família e ao trabalho apenas.

 

Porém, a escalada da violência na sua quebrada faz com que o Raio Negro seja mais uma vez necessário. E nessa onda, sua família e toda sua comunidade serão atingidos.

 

Cinco motivos

Black Lightning (Raio Negro) é uma continuação perfeita para quem está em busca de mais heróis representativos depois de Pantera Negra. Listei cinco motivos para você ver essa série:

 

1 – Representatividade: o elenco mostra diferentes atores negros, em todos os tipos de papeis, sendo mostrados como heróis, estudantes e, também, vilões.

 

2 – Herói maduro: O Jefferson Pierce da série já é mais velho, mais endurecido pela vida. E até agora, na TV, era só herói “moleque”. Mesmo o Luke Cage não é um cara tão mais velho assim. Aqui vemos um herói de verdade. Mesmo que ele solte raios pelas mãos.

 

3 – Naturalidade: temas antes polêmicos, como a homossexualidade, as primeiras experiências sexuais dos adolescentes, entre outros, são tratados como devem ser: naturalmente.

 

4 – Realidade: mesmo sendo uma série de super-herói, lida com problemas reais. E lida de um jeito muito direto… como mostrado, em especial, no episódio 3.

 

5 – Família: as outras séries de supers por aí têm grupos de amigos, famílias substitutas. Aqui não. Os dramas são superados em família, uma família muito real, com a qual muita gente vai se identificar, em especial o relacionamento de Jefferson com suas duas filhas.

Nerd oldschool, gamer de primeira geração. Levou a vida de gibi tão a sério que até mestrado sobre o assunto fez. Além de uma tatuagem do Superman. Na vida real é empresário (www.evcom.com.br) e professor universitário (www.faap.br).