Contagem Regressiva para CCXP: artistas de HQ

Contagem Regressiva para CCXP: artistas de HQ

Grandes nomes dos quadrinhos já foram confirmados para o evento deste ano

 

Menos de um mês para a CCXP. Ansiedade crescendo. Hoje, na nossa contagem regressiva, vamos falar sobre Quadrinhos.

 

Nas edições passadas, a Comic-Con Experience trouxe, entre outros, o mestre Frank Miller, o clássico desenhista José Luiz Garcia-Lopéz, o escritor do Batman, Scott Snyder, entre outros.

 

Para 2018, alguns destaques são:

 

Gail Simone

Gail Simone é uma artista premiada de quadrinhos e animações conhecida pelo seu ativismo pela diversidade, especialmente ao trabalhar com personagens femininos, como sua participação na revista da Mulher Maravilha. Com seu blog Women In Refrigerators, é considerada uma das mais influentes mulheres na indústria, criando histórias sobre representatividade e equidade.

Seu trabalho próprio inclui as séries Clean Room Crosswind, aclamadas pela crítica, e no mundo de animações trabalhou com Tomb RaiderJustice League Unlimited e o filme de animação Wonder Woman. Gail trabalhou ainda em outros títulos importantes de editoras internacionais, como Birds of PreySimpsonsSecret SixWelcome to TranquilityThe All-New AtomDeadpool, Red Sonja e Batgirl.

 

Carlos Pacheco

Pela primeira vez no Brasil, o artista, que trabalhou em títulos importantes da Marvel, como Avengers ForeverX-Men e Green Lantern, estará todos os dias no Artists’ Alley, área dedicada aos quadrinistas, e suas atividades serão divulgadas em breve.

Carlos Pacheco começou a carreira desenhando capas e pôsteres para as edições em espanhol da Marvel Comics, lançadas pela Editorial Planeta-DeAgostini no selo Comics Forum. Sua primeira HQ de super-herói foi American Soldier, com o escritor Antonio Moreno, publicada como um backup em Marvel Heroes #41 em 1991. Ele ainda cocriou os grupos de super-heróis espanhóis Iberia Inc. e Tríada Vértice.

O primeiro trabalho de Pacheco que chamou a atenção nos Estados Unidos foi Dark Guard, um título da Marvel UK com Dan Abnett e Oscar Jimenez. Em 1994 trabalhou em Bishop, da Marvel Comics com o escritor John Ostrander e o desenhista Cam Smith, e estreou seu trabalho para a DC Comics em Flash com Mark Waid e Jose Marzan Jr.

Na Marvel Comics, ele trabalhou em X-UniverseStarjammersExcalibur e Fantastic Four, até assumir como desenhista do emblemático X-Men até 1998. Depois disso, passou por Avengers Forever e Inhumans. Em 2009 assinou exclusividade com a editora para ilustrar Ultimate Comics: Avengers, as séries limitadas de Age of Ultron e outras de Captain Americacom Rick Remender. Seus trabalhos mais recentes incluem The Incredible HulkOccupy AvengersSquadron Sinister e Cable.

Na DC Comics desenhou a graphic novel JLA/JSA: Virtue and Vice, que unia a Liga da Justiça e a Sociedade da Justiça contra inimigos em comum como uma tradição, e em 2005 foi responsável pelo enredo Absolute Power de Superman/Batman #14-18 com Jeph Loeb. Com Ethan Van Sciver trabalhou na nova série de Green Lantern, e com Kurt Busiek no Superman#654-658, 662-664 e 667. Em 2008 produziu capas para a série semanal Trinity com BatmanSuperman e Wonder Woman, e ajudou J. G. Jones a ilustrar Final Crisis.

 

Humberto Ramos

Humberto Ramos, artista mexicano, vem pela primeira vez para a CCXP. Ramos começou a trabalhar profissionalmente com quadrinhos em 1993 na Milestone Media, passando depois a desenhar Impulse para a DC Comics. Em 1996 trabalhou para a Marvel Comics, e depois na Wildstorm Productions, onde, em 1998, cocriou Cliffhanger com os artistas Joe Madureira e J. Scott Campbell, lançando as obras Crimson e Out There.

Nos anos 2000 o artista trabalhou nas icônicas histórias de Peter Parker e Spectacular Spiderman para a Marvel, além de Revelations para a Dark Horse, e posteriormente em WolverineNew X-MenX-Men e Runaways v3.

Em 2011, Humberto lançou Fairy Quest Book 1 e depois começou a desenhar uma das obras mais populares dos quadrinhos, Amazing Spiderman, em grandes histórias, como Spider-IslandEnds of the EarthAlpha e Dying Wish. Em 2014 relançou a série trazendo a personagem Silk para a Marvel Universe. Recentemente, em 2016, trabalhou em Extraordinary X-Men com o escritor Jeff Lemire, e com Mark Waid em Champions, onde ele continua amando desenhar página após página.

 

David Mack

Com indicação para o EmmyDavid Mack é autor de Kabuki, série criada em 1994 e publicada pela Caliber Press e posteriormente pela Image Comics. A obra, que já ficou listada pelo The New York Times como a mais vendida e foi traduzida para oito idiomas, teve uma continuação em 2009 como uma minissérie: Kabuki: The Alchemy, publicada pela Marvel Comics sob a linha Icon Comics. Seus livros são leitura obrigatória em diversos cursos superiores e de pós-graduação dos EUA, o que lhe rendeu convite de honra para participar, inclusive, de eventos em Harvard. É a primeira vez do artista no Brasil.

O artista já trabalhou em publicações da Marvel, como DaredevilAlias e Jessica Jones, criando inclusive as artes promocionais para a estreia da série de TV Marvel Jessica Jones. Ele desenhou também as capas de Clube da Luta 2, sequência em quadrinhos de uma das obras mais famosas de todos os tempos, que não teve seguimento em livro ou filme, escrita pelo autor original Chuck Palahniuk.

Mack trabalhou também na criação das duas últimas temporadas de Dexter Early Cuts para a Showtime, ao lado do lendário artista Bill Sienkiewicz, também convidado da CCXP 2017. A última temporada lhe rendeu mais indicações de prêmios, e as artes de abertura criadas com o estúdio Imaginary Forces lhe renderam nomeações ao Emmy na categoria de Outstanding Main Titles (títulos principais notáveis).

Para o filme Capitão América: O Soldado Invernal, David criou a arte e o conceito para a sequência de títulos com a Sarofsky Designs, que recebeu o Prêmio Excelência em Design de Títulos. Ele contribuiu ainda com artes para a série de televisão Matador, de Robert Rodriguez com projetos da Sarofsky, e para a série de TV Powers da Sony.

Seu trabalho com a arte vai além dos quadrinhos. Na área da música, David Mack já ilustrou e criou artes para álbuns e singles de vários artistas, como Paul McCartney, Amanda Palmer, Thomas Jane e Vincent D’Onofrio. Ele dirigiu, inclusive, três videoclipes de Amanda Palmer, além de criar o storyboard e dirigir o filme do projeto Dead Can Dance e animações para a MTV.

Mack já foi indicado 10 vezes para o Eisner Awards, o Oscar dos quadrinhos, além de International Eagle AwardsHarvey Kirby Awards na categoria de Melhor Novo Talento, e muitos outros prêmios e indicações internacionais. Seu trabalho está em exibição no Museu de Arte da Filadélfia com Michelangelo, Tiziano e Rubens, e no Museu de Arte de Los Angeles. Além disso, algumas de suas pinturas já foram exibidas em Paris, em Bruxelas e outras cidades da Europa, Ásia e América.

O quadrinista, que já viajou o mundo para lecionar arte, inclusive em campos na fronteira e escolas para crianças com necessidades especiais, também já participou do TED Talk e teve seu processo criativo apresentado em um documentário, The Alchemy of Art, que foi premiado no 40º Worldfest Film Festival. Atualmente, ele está trabalhando em um novo projeto com Brian Michael Bendis para levar Kabuki para as telas.

 

Matteo Scalera

Matteo Scalera trabalha profissionalmente com HQs desde 2008, quando estreou em Hyperkinetic, obra do escritor Howard Shum pela Image Comics. Antes disso, o ex-baterista e entusiasta de arte e música já arriscava alguns desenhos em ilustrações para jogos e revistas infantis.

Na Image Comics ele ainda trabalhou em Dynamo 5 e PopGun, além de ser responsável pelo sucesso de Black Science, obra criada em 2013 por ele e pelo autor Rick Remender, com personagens que viajam por várias dimensões com criaturas diferentes.

Scalera trabalhou ainda em outros títulos importantes como Incorruptible e Irredeemable, obras de Mark Waid, e Valen the Outcast, ambos da Boom! Studios. Para a Marvel, atuou em DeadpoolSecret Avengers e Indestructible Hulk. E na DC Comics passou por BatmanRed Hood Outlaws, além de Dead Body Road da Skybound, escrito por Justin Jordan e colorido por Moreno Dinisio.

 

 

Paul Pope

De volta ao Brasil depois de participar da CCXP no ano passado, Paul Pope estará presente no estande da Chiaroscuro Studios para sessões de autógrafos que terão a programação divulgada em breve.

O artista é uma lenda viva da 9ª arte, e venceu quatro Prêmios Eisner – o “Oscar” dos quadrinhos –, sendo responsável por obras inovadoras como THB100%Heavy Liquid, além de uma releitura do homem-morcego em Batman: Ano 100. Ele retorna ao evento depois de participar da CCXP 2016 e da CCXP Tour Nordeste, edição extra do evento que aconteceu em abril.

Paul na CCXP do ano passado

Nascido em 1970, na Filadélfia (Pensilvânia, EUA), Pope é um dos autores mais cultuados do gênero, conhecido por quadrinhos independentes e também por trabalhos em grandes editoras. Despontou em 1995 ao iniciar a publicação de THB, uma história de ficção-científica situada em Marte no futuro que rendeu ao autor sua primeira indicação ao Eisner, como Melhor Série Nova. De lá pra cá, Pope fez história na arte sequencial, com obras publicadas em sua própria editora, a Horse Press, e também pelas consagradas Dark Horse Comics(como One-Trick Ripoff) e pelo selo Vertigo, da DC (como Heavy Liquid e 100%).

Em 2006, com a história Teenage Sidekick publicado na revista Solo da DC Comics, o autor recebeu o primeiro Eisner da carreira (Melhor História Curta). Pope recebeu mais dois Prêmios Eisner no ano seguinte, de Melhor Escritor/Artista e Melhor Série Limitada, com a publicação de Batman: Ano 100. A história, que se passa em 2039, exatamente 100 anos após a primeira aparição do Cavaleiro das Trevas, foi colorizada por José Villarrubia. Recentemente, em 2014, a graphic novel Bom de Briga fez com que Pope recebesse o quarto Prêmio Eisner de sua carreira, o de Melhor Publicação para Adolescentes.

 

Amy Chu

Formada em Design Arquitetônico no MIT, Estudos da Ásia Oriental na Wellesley College, e com um MBA da Universidade de Harvard, Amy, além de ser escritora de quadrinhos, é uma fomentadora do trabalho das mulheres nesse meio, como cofundadora da Alpha Girls Comics, que publica sua própria série antológica Girls Night Out e a série de horror e mistério The VIP Room, além de outros trabalhos criados por mulheres.

A artista já realizou diversos trabalhos para as editoras DC Comics, Vertigo e Image, com: Poison IvyAnt-ManDeadpoolSensation Comics Wonder Woman e X-Files, além de Red SonjaKISS para a Dynamite Entertainment. Ela volta ao Brasil após participar da CCXP 2015, onde lançou a nova série em quadrinhos da Hera Venenosa, um dos principais personagens femininos da DC.

 

CCXP – Comic Con Experience (www.ccxp.com.br), que reuniu 196 mil pessoas em 2016 e bateu o recorde de público em comic cons no mundo, terá sua quarta edição entre 7 e 1º de dezembro de 2017 no São Paulo Expo e espera receber mais de 220 mil visitantes. Os ingressos de sábado (9/12) e o pacote para os quatro dias já estão esgotados. Os ingressos para quinta, sexta, domingo, Full Experience, Unlock e Epic Experience estão à venda pelo site com preços a partir de R$ 99,99.

 

Nerd oldschool, gamer de primeira geração. Levou a vida de gibi tão a sério que até mestrado sobre o assunto fez. Além de uma tatuagem do Superman. Na vida real é empresário (www.evcom.com.br) e professor universitário (www.faap.br).

1 Comentário

  1. […] maior evento nerd do Brasil (e até do mundo, dizem por aí) começa essa semana. Já fizemos alguns posts sobre nossa expectativa, mas decidimos também reunir algumas dicas para quem está indo pela […]

Comentários estão desabilitados neste post.