30 de janeiro é o Dia do Quadrinho Nacional

30 de janeiro é o Dia do Quadrinho Nacional

A produção brasileira de gibis nunca foi tão interessante. Aqui vão algumas dicas para comemorar o Dia do Quadrinho Nacional

 

30 de janeiro é o dia em que se comemora o Dia do Quadrinho Nacional aqui no Brasil. A data foi escolhida porque em 30 de janeiro de 1869 foi publicada a primeira história em quadrinhos genuinamente brasileira: “As Aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte”, uma criação do avançadíssimo para sua época, Angelo Agostini.

Nho Quim

Essa é a primeira HQ do Brasil

 

Para comemorar a data, separei aqui algumas dicas de grandes autores literários e do maior criador nacional de HQs, para mostrar que os quadrinhos, como diz o estudioso e criador da área, Scott McCloud, é “um vaso capaz de receber infinitas ideias e imagens”. 

Ou seja: quadrinhos não são só para crianças. HQs não são somente de super-heróis. Gibi é de tudo, para tudo, sobre tudo.

 

Dicas

JUBIABA - CAPAJubiabá”, de Jorge Amado, é um romance escrito entre 1934 e 1935, tendo como protagonista Antônio Baduíno, um menino pobre nascido no morro do Capa-Negro, em Salvador.  A obra ganhou sua versão em quadrinhos pelas mãos do ilustrador João Spacca, um dos maiores artistas dos quadrinhos nacionais. Para contar essas aventuras, o cartunista usa todo o seu poder de síntese: tanto as imagens como o texto são altamente informativos. Além de estudar profundamente o romance, o cartunista se baseou num extenso material sobre a Salvador de antigamente, com auxílio de livros de arte, de fotos, mapas e também outras obras de Jorge Amado.

O livro pode ser encontrado aqui

 

 

Criando um quebra-cabeça que exige a participação ativa da inteligência doquando meu pai se encontrou com o et leitor, a obra de Lourenço Mutarelli “Quando Meu Pai se Encontrou Com o ET Fazia Um Dia Quente”, conta a história de um aposentado da companhia telefônica que acabara de perder a esposa. Acostumado a passar o tempo colecionando fotos antigas e consertando máquinas de costura e de escrever, a morte da esposa abala a vida metódica do homem que passa a oscilar entre violência e depressão. Um dia, quando sai para pescar com o irmão, o passeio familiar aos poucos é tomado por uma série de acontecimentos estranhos e inusitados, que começa com o desaparecimento do próprio viúvo. Alguns dias depois, o homem é encontrado, e sua sanidade é posta à prova quando o relato do que fez durante aqueles dias passa a incluir personagens como um ET e os habitantes boêmios de um barco estacionado num riacho seco.

A obra de Lourenço Mutarelli pode ser encontrada clicando aqui.

 

 

macunaimaA famosa obra de Mario de Andrade, também ganhou sua versão em quadrinho pelas mãos de Angelo Abu e Dan X, “Macunaíma em Quadrinhos” conta com a riqueza de cores e imagens, em que a história é apresentada de maneira vigorosa, contando mais sobre o personagem singular, a quem falta caráter, mas sobra carisma e preguiça. Macunaíma nasce índio, se transforma em um belo e loiro príncipe, encontra seres fantásticos da Floresta Amazônica, enfrenta armadilhas, perigos e viaja à cidade grande com seus irmãos em busca de mais confusões e enrascadas. Uma história que se traduz com perfeição aos quadrinhos, em uma versão que se mostra tão divertida e irreverente quanto a história original.

A obra pode ser encontrada neste link.

 

 

Inspirado no clássico de Euclides da Cunha, “Os Sertões” é uma das obras sertoes a lutamais contundentes da nossa literatura. Nela, o autor expõe a violenta repressão sofrida pelos seguidores de Antônio Conselheiro, ao mesmo tempo que narra a nossa nacionalidade em formação. Neste romance gráfico, livremente inspirado no clássico brasileiro incontornável, somos lançados para dentro da luta, para o coração do confronto entre um movimento messiânico sertanejo e as Forças Armadas do país. Através da tensão dramática do roteiro de Carlos Ferreira, e dos traços sombrios e torturados do desenho de Rodrigo Rosa, em “Os sertões – A Luta”, a história ganha uma visão singular e poderosa.

A obra pode ser adquirida direto lá na Amazon.

 

 

 

lendas brasileirasMauricio de Sousa é, com toda certeza, o autor responsável pela difusão das histórias em quadrinhos no Brasil. Ele é nosso Disney, não tem nem o que dizer. Criador das histórias da “Turma da Mônica”, que é traduzida em 14 idiomas e para mais de 40 países, ele faz em “Lendas Brasileiras” uma reunião das mais lindas e fantásticas histórias que formam a rica cultura do Brasil. Sempre usando os conhecidíssimos personagens da “Turma da Mônica”. Vale a pena conferir este trabalho: https://amzn.to/3aVIeaL

 

 

Escolha sua opção e se jogue, sem preconceitos. E viva o quadrinho brasileiro!

Nerd oldschool, gamer de primeira geração. Levou a vida de gibi tão a sério que até mestrado sobre o assunto fez. Além de uma tatuagem do Superman. Na vida real é empresário (www.evcom.com.br) e professor universitário (www.faap.br).