Geração mimimi e os crimes do tapete vermelho

Geração mimimi e os crimes do tapete vermelho

 

Mais uma polêmica envolvendo um ator famoso vem a público e reação de fãs reflete a geração do início do século 21

 

Quinta-feira (22 de dezembro) a youtuber e apresentadora da Warner Channel, Carol Moreira subiu em seu canal uma entrevista com o ator Vin Diesel. Ao falar sobre a matéria, a apresentadora comentou que os fãs perceberiam que ela iria parecer constrangida em certos momentos, pois o ator estava fazendo comentários não condizentes e inoportunos. Pois bem, foi o suficiente para uma explosão gigantesca.

Durante a matéria, Diesel (que aparentava não estar em seu perfeito estado mental) interrompeu a apresentadora para dizer o quanto ela era linda e que adoraria sair com ela, o que não teria sido nada de grave, entretanto ela ignorou o comentário e voltou novamente para a entrevista, deixando claro que não estava a fim daquele papo. Novamente o ator volta a dizer o quanto ela é sexy e mais uma vez ela o ignora (um tanto quanto incomodada) e volta a entrevista. Após isso o ator de novo (e já exaltado) levanta e começa a gritar e apontar o quanto a apresentadora é sexy e bonita, Carol Moreira dessa vez transmite não só com os olhos mais com toda a postura corporal o quanto aquilo estava irritante e desnecessário.

Diante desse quadro não era preciso pensar muito para saber que não se tratava de uma situação legal, mas para a surpresa geral (ou não), a apresentadora está sofrendo uma enxurrada de xingamentos, ameaças e humilhações em suas redes sociais. Comentários do tipo: “Você deveria se sentir feliz dele falar isso para você” ou “Dizer que uma mulher é linda e gostosa é assedio agora? Feminazi!”, existem também aqueles que falam “Queria aparecer? Parabéns sua babaca, você conseguiu!”.

Pois bem, diante desse quadro vamos começar com algo muito simples. A definição do que é assédio sexual.  Segundo o dicionário Michaelis, com base no que diz a Lei brasileira, fica caracterizado como assédio: Todo o comportamento indesejado de caráter sexual, sob forma verbal, não verbal ou física, com o objetivo ou o efeito de perturbar ou constranger a pessoa, afetar a sua dignidade, ou de lhe criar um ambiente intimidativo, hostil, degradante, humilhante ou desestabilizador.

Carol Moreira não correspondeu à primeira investida, deixando claro que não estava interessada, a insistência do ator que se caracteriza como assédio. E o que me deixa mais chocada nisso tudo é a reação do público diante dessa polêmica. A geração que adora utilizar o tal “mimimi”, só aplica essa expressão para aquilo que ela não gosta ou que a incomoda.

Se você é homem o mimimi é feminismo. Se é hétero o mimimi é homofibia e se é branco o mimimi é o racismo. Afinal de contas, quando alguém que não pertence a um grupo social pode definir o que é ou não algo ofensivo para ele? Se você como homem nunca saiu de casa e teve medo de ser estuprado, como você acha que tem o direito de definir o motivo de uma mulher ter sofrido desse mal.

Adoro utilizar uma analogia muito simples com meus amigos: troque de papel! Assim você saberá o que é ou não um assédio. Mas não, não se imagine sendo cantado no meio da rua por uma modelo da Playboy, imagine passar pela rua e ser cantado por um homem. Sim, um homem, desses que fica no barzinho da esquina da sua casa. Feche os olhos e pense nessa situação. Agora saiba que se você reagir a essa cantada pode acabar apanhando desse homem com o triplo de seu tamanho. Gostou? Se sentiu feliz? Pois é, nós também não.

Agora, imagine você fazendo o seu trabalho e uma cara como o Vin Diesel, ficar na sua frente gritando o quão sexy você é. O quanto ele adoraria sair daquele lugar com você. Aposto que no mínimo desconfortável você se sentiria.

Mas, chegando nisso, percebemos que o buraco é um pouco mais embaixo. Muito mais para ser sincera. A verdade é que Hollywood está doente e não é de hoje. O tapete vermelho pinga sangue!

Sim, vamos tocar nas feridas antigas, pois é necessário. A começar por uma mulher chamada Leni Riefenstahl, a diretora responsável por fazer as propagandas de Hitler foi “perdoada” de seus crimes e cumplicidade, simplesmente pelo fato de ser talentosa!

Vamos continuar com o famoso Roman Polanski, que não só foi indicado, como ganhou o Oscar pelo filme O Pianista. Irônico foi o fato dele não ter ido a premiação porque seria preso por pedofilia.

Próximo caso, Lars von Trier que afirmou se identificar com Hitler e seus motivos para o holocausto. O que não o impediu de lançar seus filmes em grandes festivais e ganhar prêmios, mesmo depois dessa declaração.

Woody Allen, sim precisamos falar sobre Woody Allen! O ator e diretor, além de ser acusado de abuso sexual por sua filha Dylan, ainda se casou com a sua filha adotiva! Ninguém nunca toca nesse assunto, será mesmo que nem por um segundo as pessoas param para pensar o quão estranho e incomodo isso é? Ele se casou com a sua filha adotiva. Que ele viu crescer e se desenvolver!

Soon-Yi, no canto da imagem, quando ainda era filha de Allen (Getty Images)

 

Woody e Soon-Yi, como marido e mulher (Franck Robichon / EPA)

 

Ok, vamos aos atores, e só vou colocar um deles pois se não esse texto seria enorme… Johnny Depp (yeah, I said it!). O ator deixou a família para ficar com Amber Heard, a agrediu fisicamente e verbalmente durante toda a relação e depois de tudo vir à tona na mídia, adivinha quem ficou com a péssima fama?! É claro que ela. Mesmo que Amber fosse a pior das mulheres, vocês realmente acham justificáveis as agressões? Acham que um homem com mais de 50 anos se deixou levar como um menino atraído por um doce? Poderíamos ficar aqui por horas, Chris Brown, Sean Penn, Terry Richardson, Bill Cosby, Sean Connery etc, etc, etc… O que aconteceu com essas pessoas? Nada! Nada! Nada!

Quando falamos de representatividade é muito mais do que ver um negro na tela da TV. É saber que você pode se espelhar em alguém. Veja bem, eu não sou uma dessas pessoas que fica malhando a pobre da Miley Cyrus dizendo para ela se vestir, pois acredito que exemplos devem ser dado por pais. O que eu estou falando é que artistas refletem no comportamento de uma geração – vide James Dean e sua rebeldia – artistas representam um mundo e que tipo de mundo estamos mostrando quando alguém acusado de estupro e pedofilia ganha um Oscar?

A geração do século 21 é aquela que aprendeu que a palavra não pode ser flexionada e mudada e Hollywood e seus astros são a perfeita representação disso. Talvez seja o tempo de começarmos a cobrar a indústria para que faça bons exemplos e assim isso pode se refletir na população em geral. Em suma: Stop making stupid people famous!