Sete Minutos Depois da Meia-Noite une fantasia e psicologia com mestria

Sete Minutos Depois da Meia-Noite une fantasia e psicologia com mestria

 

 

Com grupo de ótimos atores, Bayona adapta livro de Patrick Ness com suavidade e mostra longa sobre vida, medo e superação

sete_minutos

Livro está disponível no Brasil pela editora Novo Conceito

Quando o autor Patrick Ness lançou o livro A Monster Calls em 2011, a crítica não demorou muito tempo para aclamá-lo e dar à obra o seu devido valor. Cheio de beleza, psicologia e fantasia, era de se esperar que logo viria um filme. E, por sorte, não demorou mesmo.

 

O longa adaptado por J. A. Bayona, diretor de O Orfanato, teve roteiro do próprio Ness. Talvez o escritor tenha ficado com medo de que pudessem modificar a mensagem para o público e decidiu ele mesmo tomar as rédeas da produção.

 

O filme conta a história de Conor O’Malley, interpretado por Lewis MacDougall, um menino de 13 anos, que segundo a própria descrição, não é jovem demais para ser uma criança e nem tão velho demais para ser um adulto. Apesar disso tudo, ele carrega um peso grande para suas pequenas costas. Sua mãe está com câncer terminal, seu pai é ausente, sua avó e ele não se entendem, tem sofrido com pesadelos constantes e, como se não bastasse, ele ainda apanha todos os dias na escola.

 

Até que numa noite qualquer uma árvore freixo de seu bairro, como em um passe de mágica, ganha vida e vai até ele. Sim, a árvore. Ela diz ao garoto que vai lhe contar três histórias, uma por dia. E no quarto dia, Conor terá que lhe contar uma, o seu pesadelo.

 

Na noite seguinte quando o relógio marca 12:07, a árvore desperta e vai ao encontro do relutante Conor, que de início se recusa a ouvir “contos de fadas”, mas logo as histórias lhe chamam atenção.

 

Os efeitos são fantásticos, desde da produção da árvore, passando pelas histórias em aquarela e até o clima chuvoso e cinza de Londres, que o diretor soube colocar na medida certa. Tudo suave e simples.

 

Liam Neeson faz a voz poderosa do freixo com primor, e é surpreendente o fato do ator ainda não ter sido indicado a um Oscar por suas dublagens. Hoje em Hollywood pode-se dizer que ele está n o patamar de James Earl Jones (sim, a gente ama Darth Vader e Star Wars).

Imagine essa árvore com a voz de Liam Neeson

 

A narrativa do filme mostra a complexidade da natureza humana, a imaginação e a força que tiramos dos momentos mais inesperados, os medos não contados e principalmente o quanto é difícil dar um passo quando se caminha por um lugar estreito. A idade de Conor representa exatamente essa mudança de fase, uma transição difícil e sofrida. E representa como muitas vezes temos que nos agarrar à imaginação infantil para superarmos os momentos de dor.

Sete Minutos Depois da Meia Noite estreia no Brasil em 5 de janeiro.